Pesquisa VIP: o maior comandante da história

Um verdadeiro líder, um conquistador altruísta, um buscador despótico da glória: em cada época ele tem o seu próprio, e cada um é um gênio à sua maneira. O maior comandante da história: Diletant.media pediu a especialistas para nomear quem, na opinião deles, merecia esse título alto.

Nikolay Svanidze, jornalista, historiador

Eu chamaria os três: Júlio César, Napoleão Bonaparte e Alexandre Suvorov. César - porque ele lutou ao redor do perímetro com um grande número de exércitos inimigos, armados de forma diferente, treinados diferentemente, às vezes superando suas legiões, às vezes até com os próprios generais romanos, bem treinados e talentosos, como Pompeu, e sempre ganhavam. vitória Se acrescentarmos a isso que ele não era apenas um comandante, mas também um estadista ... Acho que ele merece ser reconhecido como um dos maiores comandantes do mundo. Ele era quase sempre vitorioso. No entanto, todos que eu nomeei foram quase sempre vitoriosos.

Napoleão é um homem que praticamente conquistou toda a Europa, tendo recursos limitados e liderando o exército revolucionário da França. O homem que deu alguns passos muito sérios na estratégia da guerra, lutando. Ele deu um grande passo no uso da artilharia na batalha. Ele sempre sabia onde o comandante deveria estar, em que ponto da batalha. ele sabia comandar, examinando todo o campo de batalha. Napoleão foi capaz de liderar a batalha, mesmo quando parecia que a situação era desesperadora. Sim, no final de sua carreira como líder, ele sofreu uma derrota, mas apenas de suas forças rivais que eram muito superiores a ele, quando ele simplesmente não tinha recursos para resistir.

Alexander Vasilyevich Suvorov também é um homem que sempre ganhou vitórias, independentemente de qualquer correlação numérica de forças, em campo completamente diferente, condições meteorológicas, lidando com um adversário completamente diversificado. Este é um homem com um sentido militar colossal, com tremenda intuição, um homem cujo único nome era uma tempestade para a Europa. Lamento que ele nunca tenha lutado contra Napoleão. Seria uma batalha de dois gênios comandantes. Eu estaria disposto a pagar para sentar na primeira fila e ver quem vai bater quem.
Leonid Kalashnikov, vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores da Duma do Estado


Considero Genghis Khan o maior comandante, porque, ao contrário de todos os outros comandantes que conheço, incluindo Napoleão, Stálin etc., esse homem conseguiu criar do zero, em um estado muito fraco, um exército que poderia ganhar metade do mundo. . Nesse sentido, dificilmente alguém mais pode competir com ele, até Alexandre, o Grande, já tinha um grande império antes de começar a conquistar o mundo.

E Genghis Khan primeiro criou um império e, então, em sua base, no processo de criação de um império, tornou-se um grande comandante. É verdade que nossa Rússia ainda não sabe o que mais - perdeu ou ganhou com isso. Sabe-se que estamos sob este jugo há 300 anos. Mas aqui os historiadores discutem por muito tempo como isso aconteceu, e o que era a mesma verdade, nem todos dirão de maneira confiável.

Muitos de nossos príncipes, incluindo aqueles de quem nos orgulhamos, não apenas prestaram homenagem a esse grande comandante, ou mais precisamente, a seus descendentes, mas também usaram os serviços desse exército, os khans, inclusive para ganhar poder pessoal. Mas isso é outra história.
Genghis Khan - o maior comandante, e você pode até dizer o primeiro.

Pavel Felgenhauer, especialista militar

Houve vários grandes comandantes. Nós todos sabemos, mas a julgar por aquele que deixou uma marca maior, todos os que se sentem como isso é chamado Napoleão. Eu concordo com eles. Você também pode ligar para Alexandre, o Grande. Eles não eram teóricos, mas eram praticantes. Os teóricos são uma nomenkloture ligeiramente diferente, e eles também eram, mas se falamos de práticas, então são Alexandre e Napoleão.

Georgy Mirsky, pesquisador-chefe do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais, Academia Russa de Ciências, cientista político


Como não há critério exato, sempre se resume a dois: Alexandre, o Grande e Napoleão. Claro, e quem mais? Eles são os maiores, eles ganharam mais vitórias. Esta é geralmente uma questão infantil. Quando eu ainda estava na escola, conversei com os meninos sobre esse assunto.

Do russo - claro, Suvorov em primeiro lugar, mas no no mundo. Napoleão conquistou toda a Europa e Suvorov não conquistou nada. Alexandre da Macedônia conquistou o mundo inteiro naquela época. Se isto é tomado como um critério, então eles são os maiores comandantes.

Outra coisa é que depois da sua morte tudo desmoronou. E, como sempre acontece, todas as grandes conquistas acabam se tornando absurdas. Pessoas estão morrendo, países estão sendo conquistados, tropas sob o barulho de tambores estão entrando em uma capital estrangeira. Bem, o que vem a seguir? O mesmo não dá nada. No final, isso só dá às pessoas um senso de fama.

Para Napoleão, era o principal. Glória e honra. E devo dizer que todos os grandes generais deixam esse sentimento para as gerações futuras, mas as pessoas deveriam se orgulhar de alguma coisa.

É claro que, desse ponto de vista, é mais importante que as pessoas falem sobre os comandantes que entraram no maior número de capitais estrangeiros. O fato de não levar a nada, as pessoas pensam muito menos. E é tão importante que nosso exército marchou em algum lugar. “Dos Urais ao Danúbio, ao grande rio, balançando e cintilando, os regimentos se movem” (M. Yu. Lermontov, “Disputa”).