"Sobre o procedimento para a nacionalização dos bancos privados"

Resolução do Comissariado Nacional para os Assuntos Financeiros

Sobre o procedimento para a nacionalização de bancos privados (instrução)

1. Esta instrução é emitida para desenvolver um decreto do Conselho dos Comissários do Povo sobre a nacionalização dos bancos de 14 de dezembro de 1917 (Sobr. Uzak. 1917, No. 10, Art. 150) com base na cláusula 4 deste decreto.

2. Nos termos especificados no art. Uma nacionalização deve ser entendida não apenas a transição das instituições de crédito das mãos dos empresários privados para as mãos do Estado, fundindo-as com o Banco do Estado, mas também reorganizando as atividades dessas instituições em uma nova base, em relação às tarefas impostas pelas condições do sistema social moderno no Banco Popular do Socialismo Russo. República Soviética Federativa.

3. Todos os bancos comerciais privados com suas filiais, agências e comissões estão sujeitos à nacionalização.

A nacionalização de bancos privados é realizada no campo sob a supervisão mais próxima de conselhos técnicos e de liquidação especial. A composição dessas faculdades, nomeado pelo chefe do departamento financeiro do conselho local de acordo com o gerente da instituição local do primeiro. Banco do Estado, inclui um representante das filiais de cada um dos antigos bancos privados, os comissários dos antigos bancos privados e dois representantes do primeiro. banco estatal (representantes do banco estatal devem incluir o gestor da instituição subjacente), e nas cidades onde as instituições anteriormente não há banco estatal, os representantes da instituição mais próxima do banco e um representante do controle estatal devem ser destacados para participar das faculdades de liquidação e técnicas. Os colégios são presididos pelo antigo chefe da instituição. banco estatal.

O conselho pode ser convidado, por acordo do gerente com o chefe do departamento financeiro, e outras pessoas competentes com um voto consultivo. Os documentos e correspondência em nome do colégio são assinados por três pessoas: um dos ex-membros. bancos privados, gerenciando antigamente. Banco do Estado e Comissário sobre o primeiro. banco privado.

A liquidação e as faculdades técnicas são guiadas em suas ações por essa instrução, e em todos os assuntos relacionados à nacionalização de antigos bancos privados, eles são demolidos com o escritório central do banco do povo em Moscou, no departamento de instituições locais.

4. Instituições anteriormente. o banco estatal passa a ser referido como as principais filiais do banco nacional (ou escritórios do banco nacional), e as filiais convertidas do primeiro. os bancos privados devem ser referidos como filiais do banco nacional (ou simplesmente filiais, se as instituições do antigo banco estatal forem chamadas de escritórios).

5. Nas cidades onde, exceto para instituições ex. um banco estatal, há apenas uma instituição de um banco privado, este último está sujeito a liquidação; em cidades com duas ou várias filiais de bancos privados, todos esses ramos se fundem em um ou vários ramos, dependendo das necessidades locais. Em qualquer caso, se as condições econômicas locais exigem a abertura de mais de uma filial de um banco nacional, a filial principal (escritório) deve entrar com uma representação motivada no escritório central do banco nacional.

6. 14 de dezembro de 1917 deve ser considerado como a data principal para a qual a liquidação do primeiro deve ser cronometrada. bancos privados. Portanto, independentemente do dia da nacionalização real, todas as instituições do banco nacional, convertidas a partir do primeiro. Os bancos privados e agora em operação, bem como aqueles que estão sujeitos a conversão, devem considerar seu trabalho a partir dessa data, procedendo à custa do Estado, ou seja, à custa do banco do povo. Ainda operações organicamente associadas com as ações do primeiro. bancos privados até 14 de dezembro de 1917, não devem ser incluídos nas contas do banco do povo até que o balanço de liquidação seja compilado em 14 de dezembro de 1917 (cláusula 7); após este ponto estas operações também ocorrem de acordo com o saldo do banco nacional.

7. Todas as instituições ex. Os bancos privados, ambos completamente liquidados e fundidos entre si, devem elaborar um balanço de liquidação em 14 de dezembro de 1917.

A compilação desses saldos, se ainda não foi realizada, deve ser concluída no prazo máximo de um mês a partir da data de recebimento desta circular. Um modelo para o equilíbrio pode ser a forma pela qual os balanços dos bancos privados foram publicados em publicações oficiais, mas com toda a informação que permitiria a fusão desses balanços com o balanço geral do banco popular e de todas as contas estrangeiras a serem fundidas com as contas estrangeiras do banco nacional. .

Quando o balanço patrimonial é compilado para 14 de dezembro de 1917, os juros são acumulados sobre as contas de 14 de dezembro de 1917 para o período de 31 de dezembro do mesmo ano. Esse período é definido de forma que, quando os juros são calculados em 1º de janeiro, não há previsão de juros compostos.

8. O relatório de liquidação é compilado de 1º de janeiro a 13 de dezembro de 1917 inclusive, sem lucros e perdas, e é fornecido com balanços de abertura e fechamento, correspondentes a todas as contas contábeis, e extratos detalhados que poderiam dar uma visão completa de cada operação e por meio dos quais Seria tecnicamente possível mesclar esses saldos com o saldo global do banco nacional.

Nota Em relação à avaliação global do saldo das instituições ex. bancos privados em 14 de dezembro de 1917, tais serão produzidos posteriormente com base nas instruções que serão dadas no devido tempo.

9. Sobre a produção de saldos para 14 de dezembro de 1917, com todas as solicitações, os colegiados de liquidação e técnicos remetem esses saldos para as faculdades técnicas estabelecidas sob as diretorias da primeira. bancos privados, de acordo com afiliação (por exemplo, saldos de liquidação de sucursais do antigo banco comercial Volga-Kama são enviados para a diretoria técnica deste banco em Petrogrado, e agências bancárias cujas placas foram localizadas em Moscou - para o departamento de liquidação do escritório de Moscou do banco nacional). Além disso, os saldos de liquidação são submetidos ao departamento de instituições locais sob a administração central do banco do povo e, finalmente, esses saldos são transferidos para as instituições do primeiro. banco estatal no terreno por afiliação. Em todos os casos, o saldo será enviado aplicativos detalhados, de acordo com as instruções anteriores.

10. Se as instituições ex. Os bancos privados são liquidados (parágrafo 7), os balanços de liquidação são automaticamente incorporados nos balanços das instituições relevantes do banco nacional. Se o primeiro. As sucursais dos bancos privados se fundem com uma ou várias filiais locais de bancos privados, e os balanços patrimoniais de liquidação, resumindo, representam o balanço inicial de uma instituição recém-criada do banco do povo. Então, todos os volumes de negócios, feitos após o dia 14 de dezembro já às custas do banco nacional, são introduzidos nesse saldo inicial, e assim o saldo da agência do banco nacional é obtido a qualquer momento.

Estes últimos saldos são relatados de maneira geral ao centro para compilar um balanço patrimonial consolidado total para todo o banco nacional.

A partir de 1919, todas as instituições do banco nacional devem apresentar seus balanços na forma do saldo da primeira. banco estatal com mudanças que serão estabelecidas em tempo hábil. E, em geral, todas as operações das filiais recém-organizadas do banco nacional do primeiro. Bancos privados, ativos e passivos, são mantidos no futuro exatamente na base do estatuto, ordens, regras e instruções circulares do banco nacional (ex-estatal), uma vez que estes últimos não divergem dos princípios básicos da nova ordem.

11. O relato dos ramos do primeiro. os bancos privados com suas diretorias permanecem no balanço patrimonial e aparecem nele até a efetiva liquidação das antigas operações.

12. Para turnovers em relações operacionais das instituições do banco nacional com filiais formadas a partir do primeiro. bancos privados, e para o relacionamento do último entre eles abre uma conta temporária especial sob o nome: "Liquidação e conta de liquidação com o banco". Todas as reivindicações de dívida do primeiro também estão relacionadas a isso. Banco do Estado para o primeiro. bancos privados (circular de 5 de junho de 1918 n º 861), as somas livres do último em suas contas correntes no primeiro. banco estatal e outros valores listados para o primeiro. bancos privados ou a eles devidos em quaisquer outras contas. As garantias para os referidos créditos serão devolvidas às filiais do primeiro. bancos privados no caso de formarem filiais independentes do banco nacional.

13. Nas filiais do banco nacional, que são formadas pela fusão de filiais de bancos privados, os antigos livros operacionais permanecem até o final de 1918. A oferta das agências de caixa circulante e capital de troca convertidos de bancos privados (Formulários nº 2 e 6 para contabilidade e relatórios) é atribuída às principais filiais (escritórios).

14. Até o final de 1918, filiais de bancos privados transformados em agências do banco popular usam mandados e formulários antigos. Formulários devem ser carimbados novamente, os selos e selos correspondentes.

15. O balanço diário do volume de negócios é mantido em relação à forma de um banco nacional (estadual).

16. De acordo com o exposto, a efetiva liquidação das operações anteriores. os bancos privados serão feitos pelas instituições do banco do povo, e essa liquidação, no sentido estrito da palavra, deve dizer respeito apenas a contas que perderam o direito de existir sob o novo sistema. Operações mesmo ex. bancos privados que mantiveram suas bases de vida podem ser continuados pelo banco nacional, e as contas correspondentes do primeiro. bancos privados podem obter o seu desenvolvimento também nos livros do banco nacional

17. Para a recompra de mercadorias e documentos de mercadorias fornecendo empréstimos sob demanda, os clientes recebem um determinado período a partir da data da fusão dos bancos. Isso deve ser feito nos jornais locais.

18. Se um empréstimo de demanda não for pago após um período de duas semanas a partir da data da demanda de pagamento da dívida, os bens prometidos serão vendidos e, no caso de falta de garantia, será elaborado um relatório com a participação de funcionários de ex-bancos privados. O mesmo procedimento de elaboração de protocolos é aplicado também para empréstimos urgentes nos documentos de mercadorias e mercadorias.

19. No que diz respeito aos empréstimos e contas correntes especiais garantidos por títulos remunerados, 1) o reembolso de dívidas contra documentos relacionados com juros cancelados em relação a instituições governamentais, incluindo os Conselhos dos Deputados dos antigos governos municipais e locais e empresas nacionalizadas, é deduzido dos montantes correspondentes das dotações estimadas ; 2) o reembolso de dívidas em relação a instituições gerais que sejam reconhecidas como tais de acordo com o procedimento legal estabelecido seja feito por alocações estimadas ou cobrindo aqueles dos valores devidos a essas instituições pelos papéis comprados dos mesmos, se a satisfação com o cancelamento dos valores mobiliários for atribuída neste formulário com atribuição o montante remanescente para cobrir a dívida sobre o montante do empréstimo às suas contas correntes no banco nacional; 3) as dívidas de devedores de baixa renda, garantidas por títulos não superiores a 10.000 rublos, não são recuperáveis ​​e são cobertas apenas pelo pagamento de empréstimos cancelados com uma diferença em sua conta corrente em um banco nacional ou em uma conta bancária poupança.

Quanto aos empréstimos e contas correntes especiais, garantidos por títulos geradores de juros no montante de mais de 10.000 rublos, eles estão sujeitos a liquidação, independentemente de serem garantidos por títulos com juros, cancelados ou não cancelados, e essa liquidação é feita por meio de contas correntes ou depósitos em espécie de mutuários. se houver; caso contrário, devem ser tomadas medidas para cobrir as dívidas em dinheiro, até um método compulsório de cobrança. Em primeiro lugar, as maiores contas estão sujeitas a liquidação.

20. As obrigações de curto prazo da tesouraria estadual de prazos vencidos que estão na provisão de contas correntes especiais devem ser baixadas para a conta de 5% do passivo, com pagamento de débitos nessas contas e crédito para diferenças ou contas correntes, se os clientes tiverem alguma, ou, na ausência de corrente contas, montantes transitórios para posterior emissão aos clientes.

21. Os direitos dos hipotecários em relação às garantias para todos os tipos de empréstimos são reservados na medida definida pelos estatutos dos bancos privados. No caso de um empréstimo ser vendido, o credor tem o direito de receber depositando em sua conta bancária tanto o excesso do banco em excesso quanto a isenção prometida, se o direito a tal não for revogado pelas leis aplicáveis. Nota Valores mobiliários não estão sujeitos a emissão.

O procedimento para submeter itens de balanço, valores e todos os assuntos às instituições b. bancos privados para o banco nacional

22. A obrigação da liquidação e dos colégios técnicos é elaborar atos de aceitação de todos os itens do balanço patrimonial, tanto em termos de ativos e passivos, como de todos os bens pertencentes ao primeiro. bancos privados.

23. A base para a efetiva entrega dos valores e itens do balanço patrimonial deve ser considerada um balanço de liquidação em 14 de dezembro de 1917, com todas as suas alterações desde a data acima até a data de entrega.

24. Uma cópia do protocolo relevante de transferência de itens e valores do balanço é enviada para o departamento das instituições locais do banco nacional.

25. A comissão de liquidação, diretamente ou por meio da atribuição de uma subcomissão especial, realiza uma auditoria detalhada das operações de 14 de dezembro de 1917 até o dia do projeto final das agências do banco nacional, de acordo com estas instruções.

26. Correspondência actual, tais como: um aviso sobre transferências não pagas ou cartas de crédito, ordens para cobranças não executadas, anúncios com espécimes de assinaturas em contas correntes, procurações de clientes, declarações sobre instalações à prova de fogo, obrigações por empréstimos, etc., são numeradas página por página e inventários para cada operação.

27. O arquivo geral (correspondência) por um período de até 10 anos é organizado em pacotes ou pastas separadas e é entregue em um inventário especial com a indicação das folhas de cada pacote.

28. Os pedidos relativos a 1918 devem ser apresentados de acordo com uma lista de inventário, na qual o dia e o número de pedidos são indicados dia a dia. Durante o período de 1908 a 1917, o arquivo de encomendas é alugado mensalmente em pacotes lacrados de um banco privado.

29. Livros auxiliares de 1917 e 1918. Entregue-se no inventário; livros subsidiários de anos anteriores, de 1908 a 1916, são apresentados em pacotes de clima.

30. Material numerado: cheques, bilhetes de transferência, bilhetes suplementares e assim por diante. Entregue com um inventário especial com o número e o número de folhas. O material numerado é selado com um selo bancário privado.

31. As cifras (chaves secretas para ordens de pagamento) são entregues quando são listadas em uma caixa lacrada com um carimbo de um banco privado.

32. O ambiente do escritório deve estar no inventário.

33. Os documentos apresentados para a recolha por um advogado devem ser entregues simultaneamente com os assuntos das sucursais; na ausência de documentos de advogados, estes últimos são obrigados a apresentar recibos de instituições ou pessoas que aceitaram esses documentos, ou, em casos extremos, informações detalhadas sobre o paradeiro dos documentos. Os advogados também submetem um relatório em dinheiro sobre os valores recebidos para todos os casos em seus processos.

Pessoal

34. A formação de pessoal para instituições de um banco de pessoas abertas e transformadas por meio de uma fusão é confiada a colegiados técnicos de liquidação, com a aprovação do chefe do departamento financeiro e, nos casos relevantes, o principal comissário do banco popular ou do comissário do povo para assuntos financeiros.

35. Ao formar pessoal, é aconselhável usar funcionários que sejam tão livres quanto possível após a fusão de agências de bancos privados.

36. É desejável incluir várias pessoas entre funcionários experientes de um banco nacional (estadual), que por sua vez podem ser substituídos por funcionários de bancos privados.

Notas gerais

37. Em todos os casos em que a fusão real no campo já tenha ocorrido antes da emissão desta instrução e, além disso, de maneira diferente daquela proposta pela instrução, os gerentes e comissários são obrigados a chamar a atenção do comissário principal, descrevendo o curso da fusão, considerações para a preservação de fusões na forma que foi estabelecida no site. Não é necessário refazer o trabalho antes de receber uma resposta do comissário-chefe.

Assinado: Comissário do Povo para Assuntos Financeiros Krestinsky.

Pelo comissário-chefe, o governador do Banco do Povo Furstenberg.

10 de dezembro de 1918.

Источник: Собрание узаконений и распоряжений правительства за 1917-1918 гг. Управление делами Совнаркома СССР М. 1942, стр. 1401−1406.

Фото для анонса на главной странице и лида: irk. citifox.ru